Procurar no site

Contatos

Fanfics twina

fanficstwina@hotmail.com

twinete do mês!!!

meu nome é Thalita (Thaly), e eu tenho 15 anos, moro em Barreiras, Bahia. conheci o site atravez do google. axei uma fufura. mandei a fichina para escrição e estou aki agora! beijão! parabens twina, pelo site MARAVILHOSO!

*********************************

vote na gente!!

Top Twilight Sites Brasil

vote no FANFICS TWINA!

PARCEIROS!

http://i54.tinypic.com/2yjr6s2.jpg

Forks Team Fã clube Pernambucano

 

 

 

 

titulo: Outono ----> sobre: Jake e Nessie -----> Autor: Brenda

titulo: Outono ----> sobre: Jake e Nessie -----> Autor: Brenda

Capitulo 1

 

 

“Elas eram as últimas sobreviventes, por pouco tempo, do clã dos Cullen. Ao lado delas jazia uma pira onde  restos mortais crepitavam em chamas cada vez mais altas. A sala era espaçosa e alta com uma iluminação artificial reforçando uma aura de desespero que pairava sobre o lugar, as duas mulheres não precisavam que as segurassem tamanho era seu desespero. Os três homens ao fundo contemplavam a cena como se fosse algo comum, como se estivessem apenas no bastidor de um filme de terror. Estavam sentados, calmos, em cadeiras altas bem trabalhadas, vendo a cena de cima enquanto a guarda com seus mantos negros mantinham no rosto um sorriso malicioso e um olhar assassino. Uma menina loira ainda se atrevia torturar a mulher com cabelos castanhos e olhos âmbar, ela sentia prazer em vê-la caída aos seus pés, era como se esta mostrasse que ali era seu lugar de onde nunca havia ter saído.

Atrás da guarda, também de manto preto, havia uma mulher um pouco assustada e que evitava olhar a cena.

- Renesmee venha cá! – O homem sentado no meio comandou num tom de voz brando.

 Ela caminhou ainda com o capuz do manto encobrindo seu rosto, ela evitou durante todo caminho olhar para as mulheres, essas, por sua vez, mantiveram a atenção na menina com expressões perplexas e agonizadas no rosto.

- Sim Aro!- Renesmee respondeu obediente fazendo uma reverência a Aro  –Em que posso lhe ser útil?

Ele a olhou com admiração como se fosse um trabalho desenvolvido com muito sucesso que exigiu vários anos.

- Seria pedir demais a você matar sua própria mãe e sua avó – neste momento uma espécie de dor perpassou os olhos da menina, a única coisa visível sob o capuz – mas não lhe negarei o lobisomem. Ele será a prova de sua lealdade a mim!

O homem da esquerda se ajeitou na cadeira e olhou bem para Renesmee ele parecia ter esperado por esse momento por anos.

- Claro Aro- Ela abaixou o capuz mostrando em seus olhos chocolate muita obediência e raiva – Será um prazer!

Ela sorriu. Aro se reencostou  na cadeira, a felicidade irradiava do seu rosto pálido. Ouviu-se um grito de terror.

- Bella, querida, você e sua família tiveram sua escolha. Eles já se foram, mas nós todos veremos o que você própria criou minha cara - O homem da esquerda falou exultante.

- Caius você não tem idéia do que está falando! – Bella disse deitada no chão ainda se contorcendo de dor, devido aos ataques da mulher loura. A mulher ao lado de Bella soluçava compulsivamente.

Caius ia rebater, porém, o homem da direita com uma cara de tédio falou:

- Vamos acabar com isso logo! Tragam o lobisomem!

Dois componentes da guarda saíram de suas posições se encaminhando para um corredor escuro, Renesmee pela primeira vez encarou os olhos de Bella ainda no chão.

- Filha não faça isso! – Bella estava soluçando também. Renesmee olhou bem no fundo de seus olhos tentou um sorriso forçado e por um momento pareceu que ela ia ouvi-la.

Ela não respondeu ao apelo apenas fitou o chão. Passado alguns minutos dois homens surgiram carregando um homem de pele morena-avermelhada, com cabelos e olhos negros. Apesar de seu grande porte ele apresentava vários hematomas pelo corpo malhado. Renesmee fitou o recém-chegado e seus olhos se arregalaram de pânico, lágrimas se formavam enquanto ela observava o homem desacordado.

Aro desceu de sua cadeira e caminhou até Renesmee colocando a mão sobre seus ombros prevenindo que as lágrimas resultassem em um momento de fraqueza, ele era quase de sua altura, chegou perto do seu ouvido e sussurrou em um tom fraternal:

- Você não está com medo não é Renesmee?- ele esperou por um momento uma resposta e vendo que ela não viria continuou – Ele não a ama tanto quanto nós. Faça o que tem de fazer e verá que é mais simples do que imagina.

Ele retirou a mão de seus ombros e se afastou um pouco esperando Renesmee agir,  o homem lobo acordou um tanto quanto confuso, piscou algumas vezes e focalizou Renesmee se assustando mais ainda, a dor estampada em seu rosto enquanto era segurado para morrer.

- Renesmee, Nessie, minha Nessie você não pode fazer isso! Você não é uma assassina! Escuta Nessie... Não faça isso. Você não é assassina este não é seu lugar! – o homem estava desesperado lágrimas corriam livremente em seu rosto enquanto Bella e a outra mulher gritavam alto vendo ele se debater implorando a Renesmee – Você é minha Nessie! Eu te amo!

Ela pareceu abalada seus olhos desfocados, como se sua mente vagasse por um tempo longínquo em que aquele homem representava algo importante para ela. Após alguns segundos de hesitação Renesmee caminhou até o homem e se ajoelhou em sua frente passando a mão pelo seu pescoço. Aro cruzou as mãos a frente de seu corpo e deu um sorriso triunfante, sua pele pálida refletindo uma jovialidade há muito perdida.  

Renesmee chegou seu rosto ameaçadoramente perto do rosto do rapaz e falou em sussurros muito baixos quase inaudíveis: - Você está errado Jacob Black! Eu não pertenço a você e nem você a mim.

Ele a fitou com muita intensidade, já não se debatia.

- Você não quer fazer isso!- ele falava calmo, mas seu rosto expunha toda a sua dor – Pense Ness... Esse mundo não é seu, sua mãe e sua avó ainda estão vivas. Eu estou vivo Nessie, nós podemos recomeçar. Você não é uma assassina, você sabe disso...

Renesmee apenas sorriu abalada.

- Pense como quiser...

Ela disse antes de mordê-lo.”

 

 

***

Eu acordei assustada lembrando-me do sonho horrivelmente real. Jacob estava sentado no chão encostado no sofá onde eu me encontrava. O filme que assistíamos antes de cairmos no sono ainda passando na televisão. Estávamos no chalé de meus pais eles haviam saído para caçar e Jake se ofereceu para me fazer companhia. Decidi não acordá-lo, mas sentei ao seu lado sentido o calor irradiando de seu corpo, ele dormia tranqüilo, roncando um pouco e com a boca ligeiramente aberta. Comecei a chorar em silêncio lembrando o meu pesadelo, nunca mais veria outra vez Jacob agoniado daquela forma, eu não permitiria. Ele era meu! Eu o amava com todas as forças!

Eu não poderia viver sem ele, Jacob era a razão da minha existência! 

 

 


Capitulo 2

 

Despertei com o sol que entrava pela a janela e atingia meu rosto em cheio, Jacob continuava imerso em seu sono tranqüilo, mas agora deitado no tapete enquanto eu estava encostada no sofá também no chão. O pesadelo ainda vagava pela minha cabeça, eu não sabia por que havia sonhado aquilo e nem estava curiosa para saber, isso só traria mais preocupação e aborrecimento. Coisas que eu não precisava nem um pouco, apesar dos últimos seis anos terem sido calmos se olhados por um lado, eu ainda vivia assustada pelos fantasmas do meu passado: Os Volturis.

- Jake?! – eu o cutuquei chamando – Jake acorda! Jake!

Ele se levantou assustado olhando para todos os lados e depois voltando a si se deitou de novo.

- Porque você me acordou Ness? – ele perguntou em uma voz manhosa – Tá muito cedo ainda sabia?

- Bom dia pra você também! – eu disse irônica, ele riu – Já passa das dez horas... Só achei que deveria te chamar.

Dei de ombros e quando fui levantar Jacob me puxou de volta.

- Vem cá Ness.

Deitei-me ao seu lado e ele entrelaçou nossas mãos, fitei seu rosto ele ainda estava de olhos fechados, mas continuava lindo do mesmo jeito. Fiquei resmungando um bom tempo coisas como “meu namorado só dorme”, “é uma pedra mesmo” e coisas do tipo.

Ele abriu os olhos sorrindo e me abraçou antes de me dar um beijo lento e carinhoso, o contrário do que realmente ele fazia. – Posso dormir mais um pouco?

Ele me perguntou fitando os meus olhos de uma forma intensa como só ele fazia.

Bufei e me levantei.

- Você sabe como estragar o momento hein? Só pensa em dormir!

- Relaxa Ness...

Dizendo isso adormeceu novamente. Fui procurar algo para comer, meu namoro com Jacob era perfeito, mas seu senso de humor e seu sono em abundância me irritavam profundamente.

Vasculhei os armários imaculadamente limpos da minha mãe procurando algo que me agradasse, depois passei a investigar a geladeira. Era incrível a quantidade de comida que havia ali para ser de uma geladeira de vampiros, meus pais insistiam que eu comesse comida humana mas a maioria dos alimentos ali acabavam na boca de Jacob.

Achei um iogurte e resolvi tomá-lo. Voltei para a sala onde Jacob estava adormecido e liguei a televisão, sentei no sofá e zapeei por todos os canais. Achei um filme sobre lobisomens, e resolvi assistir minha mente, porém, viajando em outros lugares mais especificamente a festa de comemoração de 6 anos de casamento dos meus pais. Bem vampiros não saem para jantar, portanto eles resolveram, ou melhor, tia Alice resolveu que eles renovariam os votos de casamento. Era estranho pois havia apenas 6 anos que os dois se casaram não era normal, mas o espírito festivo de tia Alice contagiou a todos e incentivou a renovação dos votos. Renovação entre aspas porque para os amigos humanos da cidade de Hoquiam que era aonde, aparentemente eles viviam, os dois se casariam aquele dia. A festa porém me trazia preocupações, afinal Nahuel viria e Jacob com seu ciúme supremo iria emburrar, com certeza, comigo. Para ele eu deveria destratar Nahuel para provar meu amor por ele.

Ri por um momento observando Jake, ele não tinha idéia do quanto eu o amava, se tivesse talvez não fosse tão desconfiado. Me preocupava também o fato do meu pai-invasor-de-mentes pois eu sabia que Jacob não controlaria seus pensamentos, e o Sr. Edward não deixaria nunca mais sua filhinha com o lobo mal. Eu e Jacob não havíamos feito nada mas digamos apenas que meu lobinho era quente... Em todos os sentidos... E por isso sempre irritávamos meu pai repassando os pensamentos do que havíamos feito do que gostaríamos de fazer, e só não fazíamos, pois Jake dizia que eu era muito nova, mas eu pensava ser apenas falta de oportunidade. Meu pai voltaria, leria nossos pensamentos e se não matasse Jacob nunca mais me deixaria a sós com meu próprio namorado, se é que eu conseguiria manter meu namorado por muito tempo, pois provavelmente ele ficaria com tanto ciúme de Nahuel que terminaria comigo.

Respirei fundo e cheguei à conclusão óbvia: ser uma adolescente meio humana, meio vampira e namorar um lobisomem definitivamente não eram coisas fáceis!

 


 

 

Capitulo 3

 

Jacob havia acordado e estava arrumando na cozinha a montanha de comida habitual. Eu estava morta de tédio, sábado não é meu dia preferido e eu não poderia sair hoje especialmente, pois ajudaria nos preparativos da festa de meus pais.

Observei a decoração da casa feita pela minha avó Esme enquanto um cheiro agradável me atingia aos poucos. Era um saco, meus sentidos não eram tão aguçados se comparados ao da minha família e ao meu namorado, portanto eu sempre era a última, a saber, certas coisas.

Espreguicei-me e ouvi Jacob rosnar, eu ri. Meu namorado era perfeito mesmo! Sempre me compensava nisso, era através de seus sinais que eu percebia quem estava chegando, dessa vez deduzi ser tia Rose. Eles se odiavam. Muito.

- Cachorro! – Ouvi a voz perfeita de tia Rose vindo da cozinha, provavelmente ela entrou por lá para não perder a oportunidade de irritar Jake.

- Fala loira burra – Disse Jacob com a voz rouca muito calma.

Corri para falar com tia Rose antes que o clima pesasse mais. Eu, maldosamente, achava muito engraçado as brigas dos dois, porém, estava sozinha era melhor evitar acidentes...

Tia Rose veio em minha direção. Ela estava linda como sempre, hoje estava com um vestido solto e curto, daqueles que só se usam no verão.

- Bom dia Nessie! – Ela me cumprimentou animada enquanto eu a abraçava não vi, mas sei que ela franziu o nariz pois ouvir Jake rir – Vamos pra casa dos seus avós, pegue algumas roupas Nessie, você precisa urgentemente tirar esse cheiro de cachorro.

Eu assenti.

- Sanguessugas! – Jake resmungou – Bom Nessie você não vai ficar aqui  então não tenho mais nada o que fazer. Vou a La push, nos vemos mais tarde?

Ele levantou-se para sair, eu corri para seus braços esquecendo por um momento tia Rose e sua antipatia. Eu o beijei e senti minha tia sair da cozinha naquele momento.

- Te amo Ness... – Jake sussurrou enquanto seu hálito quente delicioso batia em meu rosto convidativo. Minha mão que estava em seu pescoço passou para o rosto. “Eu também te amo... Muito Jay!”.

- Preciso ir ou tia Rose morrerá do coração mesmo não sendo possível!

Me soltei delicadamente de seu abraço, Jacob ainda segurando a minha mão enquanto eu saia. Lancei um último olhar para ele antes de seguir em direção ao corredor que dava acesso aos quartos. Ele não se moveu enquanto me tinha a vista.

Caminhei pelo corredor, sorrindo bobamente. Cheguei ao aposento e vi tia Rose sentada na cama com uma montanha de roupas.

- Caramba Nessie você deveria fazer uma reforma em seu guarda-roupa, ainda bem que não foi Alice a te buscar.

Revirei os olhos, minhas tias me tratavam como uma Barbie particular. Discutimos minhas roupas por horas e tia Rose disse que “graças a Deus você é dama de honra! Imagina você naqueles vestidos horrorosos?” entramos em acordo e saímos da casa dos meus pais para a mansão.

Caminhamos calmamente até a mansão, ela me contando histórias ocorridas antes do meu nascimento. Coisas como o relacionamento dela e da minha mãe eram antes do meu nascimento e as loucuras que meu pai fazia pela sua Bella.

Achava completamente surreal que tia Rosalie não gostasse de minha mãe antes, elas se davam tão bem. Ela agora me contava quando meu pai havia ido embora para tentar, na cabeça dele, proteger minha mãe. Diante de sua história eu descobri uma coisa que nunca ninguém havia me falado e que me incomodou um pouco mesmo não tendo sentido...

- Então quer dizer que Jacob e minha mãe eram muito amigos?!?!

Algo incomodou tia Rose, mas ela logo disfarçou.

- Sim, eles foram muito amigos. Talvez, e eu odeio dizer isso, se não fosse o cachorro você não estaria aqui hoje.

- Hãm?!?– Fiz uma cara confusa.

- Quando seu pai resolveu se afastar, Bella ficou em um estágio de... ehh qual seria a melhor palavra... humm... depressão.

“ Jacob entra na história aí. Ele e Bella já se conheciam desde pequenos mas foi na época  que seu pai foi embora que os dois se tornaram amigos de verdade ele foi um consolo pra ela sabe? Isso aconteceu simultaneamente com sua transformação em lobo e a perseguição de Victoria por vingança. Sua mãe foi imprudente também, ela pulou de um penhasco na praia de La push quando o cachorro não estava perto e quase morreu. Seu pai foi para Volterra e tentou os Volturi a matá-lo.”

Eu estava chocada, nunca soube dessa história e ao mesmo tempo algo nela me incomodava mesmo eu não sabendo o que.

Era incrível ver tia Rose falar daquele jeito, apesar de algumas ofensas, era raro vê-la falar serio quando se tratava do meu namorado. E ainda mais pronunciar teu nome.

“ Jacob protegeu sua mãe, porém os dois se afastaram um pouco quando seu pai voltou e a amizade dos dois só voltou a melhorar quando você nasceu. Sabe Nessie você trouxe muita união, a do pulguento com Edward e Bella, a minha com Bella, a do clã dos Denali conosco... “

Sorri com essa idéia, mas minha mente vagava na história que havia escutado. Ela não era tão assustadora quanto às muitas “provas de amor de Edward e Bella” por isso não havia sentido de escondê-la de mim.

- Por que vocês nunca me contaram isso?- Tentava parecer descontraída.

Ela me fitou por um tempo, tremi com seu olhar sem sentido.

- Não havia necessidade  – ela me respondeu.

 


Capitulo 4

 

Chegamos à mansão, durante o resto do caminho eu e minha tia não conversamos mais. Acho que minha tia havia falado mais do que pretendia.

- Nessie! – Minha mãe me abraçou por trás me dando um susto daqueles, ainda estávamos na clareira de frente a casa dos Cullen. O sol havia resolvido aparecer em Forks e cintilava na pele de minha mãe a deixando mais bela ainda, meu pai vinha logo atrás sorrindo.

- Por que vocês demoraram tanto? Pensei que iriam me buscar em casa! – eu disse enquanto meu pai abraçava a mim e a minha mãe. Tia Rose nos olhou com olhos amorosos e depois de cumprimentá-los saiu em disparada a casa.

- Atrasamos um pouco mais do que desejávamos - Meu pai se justificou, e eu senti minha mãe ficar com uma face vergonhosa, se ela pudesse corar o teria feito furiosamente.

Meu pai mordeu o canto da boca tentando conter um sorriso. Eu poupei minha mente de saber o que seriam esses atrasos levianamente pois sabia muito bem o que era.

- Espero que Jacob tenha cuidado bem de você – minha mãe disse me soltando para caminharmos até a casa.

Tudo aconteceu muito rápido. Um relance de pensamentos involuntários e meu pai então ficou serio. Bom, eu podia corar e me dei o luxo de fazer.

“ Desculpe pai!” eu pedi em pensamento.

Ele balançou a cabeça e correu para a casa com o rosto despreocupado. Pronto, eu tinha me ferrado! Edward com o rosto despreocupado era sinônimo de problemas.

- O que eu perdi? – minha mãe perguntou confusa e aborrecida, ela simplesmente odiava as conversas que eu e meu pai tínhamos.

- Nada. Tá tudo bem.

- Hurum sei... – de aborrecida sua expressão se iluminou novamente – você... e Jacob... não?!

Fiquei constrangida se pudesse tinha corado até os cabelos.

- Mãe... Para! Lógico que não, não aconteceu nada ta legal!!! É só a mente superprotetora e jurássica do meu pai.

Ela voltou ao normal.

- ah. – e deu de ombros, ela era totalmente ao contrário do meu pai, isso era legal, mas me deixava louca de vergonha.

- Vamos mãe, tia Alice deve ta doida te caçando para a sessão tortura! – eu disse a ela ainda sentido os efeitos da conversa anterior.

Ela bufou e fez uma cara de pidona para mim.

- Não adianta mãe! Vamos...

Ela riu e começamos a caminhar novamente, seu humor estava em alta. A caçada havia sido boa mesmo. Urghhh!!!

Entramos pela porta da sala da casa, meu pai estava tocando piano furiosamente apesar de sua expressão amena. Eu e minha mãe trocamos olhares, parecíamos ler a mente uma da outra. Ela apertou minha mão como me incentivando e subiu as escadas, resolvi falar com meu pai.

Sentei ao seu lado no piano, ele parou e bufou.

- Pai...- eu hesitei, encostando a cabeça em seu ombro – não fizemos nada de mais. Não sei por que tanta raiva.

Ele me olhou como se eu tivesse falado a coisa mais bizarra do mundo e balançou a cabeça. Eu estiquei minha mão para tocá-lo, uma atitude boba considerando o poder dele mas assim poderíamos ter uma conversa sem sermos ouvidos.

“ Pai não entendo seus motivos! Ele não fez absolutamente nada. N-A-D-A. O senhor não tem razão ao ficar bravo desse jeito. Isso me magoa. Muito viu?!”

Ele agora olhou nos meus olhos e suavizou sua expressão.

“Não é fácil pra mim Nessie, você pra mim tem 6 anos, literalmente. Aconteceu tudo muito rápido eu gostava mais de Jacob quando ele apenas fazia suas vontades INFANTIS.” Ele destacou as últimas palavras. “ Agora eu tenho que ver esses pensamentos macabros, e não posso contar ao menos com sua mãe pois ela acha linda a idéia.”

Eu sorri para ele.

“Desculpa... o senhor sabe que é o melhor pai do mundo?” ele sorriu verdadeiramente. “ Eu te amo pai, só peço um pouco mais de compreensão comigo e com Jake... Sei que não é fácil pra você estar na cabeça de sua filha adolescente e do namorado dela.” Ele me interrompeu.

“Você não faz idéia!”

Senti o cheiro amadeirado e meu pai também pois fez uma careta.

- Se importa? – Perguntei lançando-lhe um olhar culpado.

Ele tentou sorrir, mas fez outra careta. Decidi deixar Jacob longe do meu pai por um tempo.

- Obrigado. – ele disse aliviado com meu pensamento.

 


Capitulo 5

 

Saí ainda pensando na conversa com meu pai, era tão difícil entender que eu cresci? Meu pai se esforçava muito para esconder um pouco da sua raiva em relação à Jake eu sabia reconhecer isso, mas às vezes parecia que ele ia picotar meu namorado em mil pedacinhos e isso me irritava profundamente.

Fiquei encostada no peitoril da varanda observando Jacob se transformar atrás de uma árvore próxima para vir ao meu encontro. Fiquei olhando as folhas caindo ao chão ainda aborrecida com o fato ocorrido, ouvi o piano voltar a ser tocado violentamente.

Foi quando senti mãos quentes me abraçando por trás e me apertando contra seu corpo, fechei os olhos encostando minha cabeça em seu peito e me acalentando com aquele cheiro embriagante, deixando minha mente relaxar pouco a pouco. Jake tinha efeitos incríveis sobre mim.

- Aconteceu alguma coisa? – ele me perguntou em sua voz rouca num tom baixo próximo ao meu ouvido, eu me arrepiei. O piano parou com uma nota desafinada, como se várias teclas fossem pressionadas ao mesmo tempo, eu bufei.

- Nada... Só ciúmes...

- Edward? – Ele me perguntou provavelmente prevendo a resposta.

- Quem mais seria?

Decidi me virar e encarar os olhos de Jacob precisava tocar em um ponto crucial da festa.

- Jake, Nahuel vai vir. – Despejei sem rodeios, ele fez uma careta e respirou fundo.

- Eu sabia! – Eu dei um selinho nele e voltei a encostar minha cabeça em seu peito.

- Por favor, não começa ta? – Eu pedi exausta de tanto pensar em coisas não tão importantes, como a irritação estranha ao ouvir a história de tia Rose. Resolvi conversar com Jake sobre isso afinal ele nunca havia mencionado a amizade dele com minha mãe no passado. – Jake por que você nunca me contou que é amigo da minha mãe há muito tempo?

Ele franziu a testa e olhou para mim assustado com a mudança abrupta.

- Há muito tempo?

 

Eu assenti.

- É desde que vocês eram crianças...

Ele apertou os olhos enquanto me fitava.

- Quem te contou isso?

- A tia Rosalie – eu avaliei sua expressão ainda abraçada com ele – Por quê?

- Ah nada... O que mais ela te contou?

- Nada, só como vocês ficaram amigos quando meu pai foi embora – ele parecia estar pensando em algo eu encostei a mão em seu rosto “Por que você não quis me contar?”

- Achei que não era importante.

Ele disse tentando assumir um tom indiferente, falivelmente.

- Você ta mentindo pra mim não é? – eu perguntei calma, sabia que ele estava mentindo. Ele balançou a cabeça negativamente.

Minha mão estava encostada em seu ombro e eu conseguia ainda assim comunicar com ele da minha forma, a mão no rosto era apenas uma questão de hábito.

Jake o que aconteceu que você ta querendo me esconder?”

- Nada Nessie, nada – Ele escondeu o rosto em meus cabelos tentando não me olhar nos olhos – Você está se preocupando com coisa à toa...

Eu me irritei. Essa história tinha algo estranho, Jacob não mentia sobre coisas simples. Respirei fundo tentando não discutir.

- Olha Jacob eu te conheço muito bem pra saber quando você ta mentindo, não sei se você se lembra, mas eu cresci com você do meu lado. Você sempre foi meu melhor amigo e agora é meu namorado... Isso complica muito pra você, pois agora tem a O-B-R-I-G-A-Ç-Ã-O de me falar a verdade ou a coisa vai ficar feia. Muito feia pro seu lado.

Acabei ficando nervosa contra minha vontade e mal tinha acabado de falar aquilo já havia me arrependido. Era horrível brigar com Jacob, pois sempre me sentia culpada por ele sempre acabar me dando razão. Tudo bem que eu sempre, ou quase sempre, tinha razão mais um pouco de discussão é saudável.

- Nessie não tem o que falar, não tem verdade nenhuma! – ele disse meio irritado alterando um pouco o tom de voz

- Jacob não mente pra mim... – Tentei manter meu tom calmo.

- Eu não to mentindo pra você – ele pegou meu rosto em suas mãos me fazendo encará-lo – Para de desconfiar de mim.

- Eu não estou desconfiando de você! – Me livrei de suas mãos me afastando um pouco dele e coloquei as mãos na cintura – Você sabe de alguma coisa e não quer me contar, se não fosse importante você não precisava mentir.

Ele bufou jogando as mãos para o alto.

- Você é muito teimosa garota!

- E você cabeça dura!

Jacob começou a tremer. Eu me assustei, no geral ele nunca ficava nervoso a chegar ao ponto de explodir em um lobo. Pelo menos comigo.

Me encostei na parede cruzando os braços a frente do corpo.

- Você tem que parar com essa mania de omitir as coisas de mim... Eu já sou bem grandinha pra lidar com muita coisa!

Ele sorriu cínico.

- Você só tem 6 anos, é uma criança!

Eu fiquei boquiaberta. Essa era a coisa que eu mais odiava ouvir em todo mundo, superava até minha aversão aos Volturis.

Gaguejei ofensas inaudíveis, que se perdiam no caminho da minha boca. Lutava contra a vontade de socá-lo no estômago e gritar histérica com ele ofensas das quais eu me arrependeria. Respirei fundo e o fuzilei com os olhos.

- Te garanto que Nahuel não pensa assim.

Jacob arregalou os olhos eu me virei para entrar em casa. Ele foi mais rápido e segurou meu braço tentei desvencilhar porém ele era muito mais forte.

- Pois bem Renesmee trate de não perder a oportunidade, talvez você não tenha uma como a de hoje.

Usei a facilidade que eu tinha em fingir algo herdada de meu pai. Sorri radiante para Jacob e disse:

- Não se preocupe ele é mais homem que você não vai me deixar escapar!

Ele ficou parado com cara de idiota, coisa que ele realmente era, e me deixou ir. Saí correndo dali, precisava chorar.